Saiba como se preparar para fazer uma promoção imperdível

Saiba como se preparar para fazer uma promoção imperdível

É preciso ser criativo para fazer diferente e chamar a atenção dos consumidores

Dezembro e janeiro são, tradicionalmente, meses de promoções. Se antes do Natal as empresas costumam oferecer brindes ou realizar sorteios, no primeiro mês do ano a maioria aproveita para liquidar os estoques. Mas é possível criar ações para ampliar as vendas nos demais meses do ano.

mas, é preciso ser criativo para fazer diferente e chamar a atenção dos consumidores. O ideal é que o planejamento de uma promoção comece ao menos seis meses antes da execução, aponta o professor de marketing José Luciano Silveira Furtado, da Faculdade de Tecnologia do Comércio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH).

Todo o esforço pode ser facilmente recompensado: pesquisa do Instituto Popai Brasil mostra que uma promoção bem feita é capaz de aumentar as vendas em até 200%. O professor José Luciano diz que pequenas e médias empresas estão investindo sua verba de marketing mais em promoções e menos em propaganda. “A propaganda está ficando muito cara e comum”, analisa.

Enquanto a publicidade funciona para despertar o desejo de compra, a promoção estimula essa vontade e ao mesmo tempo oferece um motivo racional para que o cliente coloque a mão no bolso. Embora não exista receita para criar uma boa estratégia, o professor de marketing lista algumas dicas para alcançar bons resultados:

1. O pior tipo de promoção é dar descontos. “Na verdade, o desconto cria maus clientes”, diz José Luciano. Segundo ele, o consumidor que busca esse tipo de promoção não é fiel à empresa, mas sim aos descontos.

2. Troque o desconto por algo que gere fidelidade ou frequência. Em vez de diminuir em 10% o preço, crie um cupom do tipo “a cada dez compras. ganhe uma grátis”.

3. Promoções atraem novos clientes, mas eles só serão fieis se também encontrarem bom atendimento.

4. Qualquer época do ano é válida para promoções, mas é bom aproveitar os grandes feriados, quando geralmente os consumidores estarão mais propensos a gastar.

5. Faça promoções criativas. “O valor no mercado se dá pela raridade”, observa José Luciano. Quanto mais diferente for a sua promoção, mais ela despertará no cliente o desejo de comprar.

6. O objetivo de uma promoção não deve ser apenas atrair novos consumidores, mas também aumentar o valor médio da compra (tíquete médio). As promoções são uma forma de recompensar os clientes fieis, para que eles continuem ligados à empresa.

7. Planeje com antecedência. Isso não elimina a possibilidade de algo dar errado, mas diminui consideravelmente o risco.

 

Fonte: Revista PEGN

Como agir com pessoas que falam mal de você pelas costas

Como agir com pessoas que falam mal de você pelas costas

Algumas pessoas adoram fofocas e intrigas, causando grandes confusões e transformando o mundo em um lugar de ódio e desordem. Assim, devemos estar preparados para lidar com tais negatividades, não deixando que elas nos contaminem

Ser inteligente em uma sociedade pouco instruída é como receber uma estrela de xerife no velho oeste bem no dia em que o bandido mais perigoso do local adentrou a cidade. Em outras palavras, o que quero dizer é o seguinte: as pessoas não querem saber o raio de conhecimento que você possui. Elas estão interessadas em si mesmas e em mais nada.

Basta averiguarmos com calma nossa comunidade e veremos que os intelectuais são sempre perseguidos, enquanto os demais são abraçados. Isso acontece porque vivemos em um mundo onde a inveja existe e os seres que aqui estão a valorizam demasiadamente. Por isso Fannie Flagg disse: “Lembre-se, se as pessoas falarem por suas costas, quer dizer apenas que você está dois passos à frente.”

Quando analisamos nosso inimigo devemos tentar discernir suas reais intenções, interpretando seus objetivos e agindo estrategicamente. Desta forma, devemos nos adequar a esses ataques, fazendo com que eles percam força e representatividade.

Por exemplo: no futebol, quando um atacante vai bater um pênalti e o goleiro adversário se aproxima dele, dizendo que vai adivinhar o canto e que vai defender a bola, ele está tentando desconcentrar o atleta para que o mesmo se desequilibre emocionalmente e perca a cobrança. Neste caso, o que o jogador deve fazer é fechar os ouvidos e acreditar em si mesmo, porque fazendo isso, essa ação contrária cairá por terra e não afetará o resultado (ainda que ele perca o pênalti, porque ele não terá perdido por conta desse fator negativo e sim por ser uma obra do destino).

Do mesmo modo do exemplo acima, quando uma pessoa resolver nos agredir longe da nossa presença, devemos simplesmente não nos importar e nos mantermos firmes em nossa conduta. Além disso, não devemos ter ódio, ou sentimentos de vingança por essa pessoa, haja vista que ela possui uma mentalidade atrasada e por isso, ostenta esse tipo de comportamento. Em outras palavras, o desejo de tal criatura é que fiquemos entristecidos, chateados e revoltados com sua postura, logo uma ação inversa destrona o plano inicial dela e a faz se desmanchar por si mesma.

Portanto, seu oponente somente pode te atacar se você permitir que ele te ataque, porquanto o universo permite que sejamos responsáveis por nosso próprio destino (guardadas as devidas proporções). Assim, somos escultores de nossa existência e nossa moldura será perfeita se soubermos trabalhar nossa confiança para agirmos de forma inteligente perante os espinhos existentes em nossa trilha.

A importância do marketing pessoal e da credibilidade

Quem possui uma marca pessoal forte tem uma certa blindagem perante cenários nebulosos. Com toda certeza, as pessoas pensam duas vezes antes de propagarem bobagens sobre alguém que tem crédito no mercado. Destarte, é fundamental trabalharmos nossa imagem, fazendo com que as pessoas vejam nossas virtudes e passem a nos olhar com deferência.

Vale aludir que com o passar do tempo, podemos visualizar que quanto mais investimos em nossa marca, mais crescemos perante a sociedade, pois nosso comportamento reflete para as pessoas quem realmente somos, de sorte que elas irão nos apreciar se formos criaturas virtuosas e, principalmente, se formos capazes de mostrar isso a elas.

A necessidade de se vigiar

As pessoas estão esperando nossos erros para poderem descortiná-los, ou seja, tudo o que elas precisam é de um motivo para nos prejudicar. Deste modo, o que temos que fazer é vigiar nossas palavras, pois elas podem comprometer toda a nossa trajetória pessoal e profissional. Não foi por acaso que Oscar Wilde disse: “Se soubéssemos quantas e quantas vezes as nossas palavras são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo.”

Digo isso porque muitos de nossos companheiros lançam armadilhas para nos apanhar, buscando nos encurralar constantemente. Daí a importância de se conhecer bem o inimigo e de também ter um grande cuidado com os falsos amigos, porque nem tudo aquilo que nossos olhos veem correspondem à realidade e precisamos enxergar além do óbvio em muitas situações.

Em linhas gerais, na dúvida, devemos sempre ter prudência e nunca deixar que nossa ansiedade nos atrapalhe em nossas escolhas. Vale lembrar também que pensar antes de falar é algo impreterível e inegociável, tendo em vista que o homem que aprender a refletir no tempo certo, conquistará todas as vitórias e se tornará quase imbatível com o passar dos anos (pratica = perfeição).

A preciosidade de se ter uma conduta coerente e coesa em todos os sentidos

Agradar a todos é impossível, todavia algumas pessoas possuem esse sonho utópico e infelizmente vivem sofrendo por isso. Sem dúvidas, se alguém busca ter uma vida própria e convicções únicas, é fundamental ter personalidade e não se deixar levar pelas teorias alheias.

Portanto, responda a si mesmo: você vive para si, ou para os outros? Sua liberdade é mais importante que qualquer coisa nessa vida, ou você se acostumou com cheiro do cárcere?

Pode parecer loucura, mas a maioria das pessoas existe para se preocupar com o que as outras vão pensar a respeito delas e não o contrário. São inseguras, teimosas, medrosas e completamente manipuláveis.

Não repita o erro delas, seja diferente: tenha força, energia, entusiasmo e garra, não permitindo que mandem em sua vida, pelo contrário, mostre que é você quem está no controle. Para isso, crie suas crenças, valores, princípios e não se desvie deles, pois assim procedendo, você estará mostrando ao mundo no que consiste a essência de um homem íntegro e do que é formado o coração de um ser de notável nobreza.

Concluindo, digo que precisamos fazer com que esses tagarelas tropecem em suas próprias palavras, tornando-os reféns da própria hipocrisia. Com absoluta certeza, temos poder de influenciar e modificar o ambiente, fazendo com que o mundo seja uma esfera onde a lucidez, a honra e dignidade humana permeiem sempre o topo.

 

Fonte: Administradores

Como publicações em redes sociais impactam a carreira

Como publicações em redes sociais impactam a carreira

O seu comportamento nas redes sociais pode influenciar diretamente a sua carreira, pois é cada vez mais frequente o uso do recrutamento eletrônico por profissionais de RH

É melhor decidir pelo bom senso nas postagens e manter, assim, sob certo controle a imagem profissional que queremos transmitir

Recentemente, alguns casos têm ganhado destaque nas discussões sobre o correto posicionamento que devemos ter nas mídias sociais. O primeiro foi de uma menina que postou em sua página do Twitter a seguinte frase: “Eduardo Campos: sua vice é a Marina. Já pensou se você morre?”. O Comentário foi postado na segunda-feira, dia 11/08, véspera da morte do presidenciável.

A infeliz coincidência trouxe repercussões negativas para a garota. Esse tuíte já foi compartilhado mais de cinco mil vezes, acompanhado por inúmeras hostilizações. Além da primeira colocação que já não foi muito adequada, a garota ainda aproveita a situação para brincar: “Eu nem sabia que tinha tanto poder, mas acho que vou fazer uma listinha”, tornando ainda mais polêmica sua colocação e causando ainda mais indignação nas pessoas.

Outro caso foi de pessoas fazendo uma selfie durante o velório do Eduardo Campos.

Tal fato foi visto como falta de respeito e de bom senso, novamente ocasionando ataques às pessoas que tiveram essa atitude.

O assunto morte, por si, já gera certo desconforto. Brincar ou aproveitar-se desse momento para se promover, pode ser visto como inadequado, sendo prejudicial à imagem pessoal. Além do mais, por ter valores e princípios envolvidos, as postagens relacionadas ao tema estão mais propícias a mexer com o emocional das pessoas.

Os dois casos nos remetem à reflexão sobre as nossas colocações nas mídias sociais, o impacto que isso pode trazer para nossa imagem pessoal e, consequentemente, à nossa carreira.

A forma como uma pessoa se porta nas redes sociais pode influenciar diretamente em sua carreira. É cada vez mais crescente o e-recruitment (recrutamento eletrônico), que além de ser utilizado para a divulgação de vagas, auxilia profissionais de RH no processo de escolha do melhor candidato. Avaliar as postagens (que são públicas) nas redes sociais tem se tornado cada vez mais comum, sendo um forte aliado do recrutador. Dessa forma consegue-se avaliar (direta ou indiretamente) quais são os valores expressados pelo candidato e a adequação dos mesmos com a empresa ou cargo em questão. Isso deve ser levado em consideração por candidatos que buscam um novo trabalho ou por aqueles que esperam uma promoção.

Quando pensamos em gestão de carreira, pensamos em algo que está sendo gerenciado, ou seja, planejado, cuidado, controlado. Assim, as ações precisam ser pensadas para que as reações também estejam sob controle.

Para gerenciar o impacto das colocações feitas em redes sociais sobre a carreira uma dica é sempre pensar em quem estará lendo suas postagens e refletir como aquela informação será interpretada pelas pessoas com as quais me relaciono. Manter o controle e buscar postar assuntos relevantes pode manter as reações (aceitação) dentro do que se é esperado e desejado para a postagem.

É sempre bom lembrar que nossa ação gera uma reação. É melhor decidir pelo bom senso nas postagens e manter, assim, sob certo controle a imagem profissional que queremos transmitir.

Poliana Landin é professora e coordenadora do curso de pós-graduação Avaliação Psicológica do IPOG.

 

Fonte: Administradores

10 maneiras baratas de divulgar sua empresa

10 maneiras baratas de divulgar sua empresa

Uma das estratégias é mandar uma carta – e fazer o cliente se sentir importante

Muitos donos de pequenos negócios pensam que a publicidade é como ir ao dentista: algo que você só precisa fazer a cada seis meses. Mas, quando a publicidade é contínua e focada, os negócios ficam mais fáceis. Se os possíveis clientes tiverem uma visão positiva dos seus produtos e da sua reputação antes de você ligar para eles ou antes de eles começarem a comprar, você tem muito mais chances de fechar uma venda.

Outra novidade a respeito da publicidade permanente é que ela não está presa a uma etiqueta de preço. Trata-se apenas de mandar a mensagem certa para a pessoa certa na hora certa. Aqui estão dez ideias para fazer isso… sem gastar muito:

1. Faça os clientes se sentirem especiais. Os clientes gostam de ser reconhecidos, especialmente nos dias de hoje, em que tudo é rápido e “pelo menor preço”. “Mesmo com empresas na internet, é possível prestar um bom atendimento ao cliente”, diz Denise McMillan, dona de uma loja on-line. McMillan inclui um pequeno sachê com cheiro de rosas em todas as sacolas de jóias ou lingerie que ela vende e também envia uma carta de agradecimento escrita à mão. “O sachê e a carta custam alguns centavos, mas acrescento algo especial à compra”, ela afirma.

2. Crie cartões que os clientes queiram guardar. A maioria dos cartões de visita é descartada algumas horas depois de uma reunião. Em vez de ter seu cartão jogado fora, crie um que as pessoas realmente usem, como um bloquinho de anotações com suas informações de contato em todas as páginas. O bloco de anotações é consultado quase todo dia, guardado por 30 dias, mais ou menos, e deixa uma lembrança forte.

3. Pare de atender clientes que não dão lucro. Se essa ideia lhe dá arrepios, pense melhor. Você caiu na mentira de aumentar as vendas em vez de alavancar os lucros. Se você parar de atender clientes que não dão lucro, você tem mais tempo e recursos para clientes que realmente podem ajudar sua empresa a crescer. “Provavelmente, 20% dos seus clientes estão contribuindo para de 150% a 200% do lucro anual total; 70% não dão lucro e 10% custam de 50% a 100% do seu lucro”, afirma o consultor Michael King. Analise bem os dados de lucratividade dos seus clientes e, depois, direcione serviços especiais e propagandas para aqueles que importam.

4. Crie uma lista de contatos por e-mail e mande cartas pelo correio. A maioria das empresas aproveita o poder dos e-mails e você também deve enviá-los. É muito econômico. Porém, já que o e-mail de marketing está em todos os lugares, você pode se destacar se enviar, de vez em quando, cartas pessoais pelo correio para clientes antigos e possíveis clientes. Apenas tenha certeza de que essas cartas trazem algo que os clientes querem ler, como uma análise de eventos recentes na sua área, ofertas especiais ou um agrado personalizado (um desconto na próxima compra, por exemplo). Essa correspondência tem que ter valor para quem lê, para refletir o valor dos seus produtos. Lembre: a melhor maneira de vender é divulgar.

5. Participe de feiras e conferências. Você pode criar rapidamente folders interessantes com informações de contato, encartes com novidades sobre produtos ou um pequeno site sobre um evento.

6. Combine os negócios com prazer… e solidariedade. Realize um evento, festa ou conferência por uma causa que você apoie. Isso traz a possibilidade de conhecer várias pessoas e exibe suas habilidades de liderança.

7. Crie um destino. Uma livraria com uma cafeteria dentro. Uma loja de móveis com profissionais para cuidar dos filhos dos clientes. Por quê? Para que os clientes passem algum tempo lá. Uma manhã de domingo na livraria torna-se uma agradável rotina de fim de semana, em vez de somente uma compra. Roube essa ideia. E essa dica também vale para a internet. Usando a publicidade do tipo “pague por clique” (você só paga pela propaganda se algum usuário clicar no link para o seu site), você pode atrair público para eventos ou ofertas, observa o consultor Jay Lipe.

8. Torne-se um especialista on-line. Essa é uma estratégia de “amostra grátis” para conquistar negócios. Pesquise listas de discussão por e-mail e bate-papos on-line relevantes para sua empresa e seus clientes. Participe de vários deles publicando comentários para resolver problemas ou respondendo a perguntas. Pode ser necessário fazer isso durante um tempo. Mas a recompensa aparece na forma de clientes e indicações.

9. Flerte com a mídia local. Reportagens geram mais credibilidade do que a publicidade paga. Para receber a cobertura da mídia local, seja do jornal, da TV, de estações de rádio ou jornais de comércio, você precisa de uma notícia nova e na hora certa. Geralmente, vale a pena contratar um profissional de relações públicas ou assessoria de imprensa. Ele conseguirá espaço para as notícias, irá atrás dos representantes de veículos de comunicação e enviará comunicados para a imprensa falando sobre sua empresa. Normalmente, isso pode ser feito por um curto prazo ou de vez em quando.

10. Por fim, não deixe os clientes escaparem. Faça um esforço para trazê-los de volta. Custa muito menos trazer de volta um cliente insatisfeito ou que não aparece há muito tempo do que atrair um novo. Se você não vê um cliente há algum tempo, mande um e-mail personalizado (esse processo pode ser automatizado) perguntando se está tudo bem. Para um cliente que passou por uma situação ruim, use o telefone, reconheça a situação e pergunte se há algo que você possa fazer. Um desconto também é bom. Ser gentil com os clientes é a propaganda mais inteligente e barata que você pode fazer.

 

Fonte: Revista PEGN

Conselhos a um jovem administrador

Dez conselhos que todo jovem administrador deveria seguir

Administrar tem os seus desafios, não bastasse todo o cenário enfrentado que muitas vezes podem fazer com que se sinta “remando contra a maré”, existe ainda os fatores internos, psicológicos (emocionais e comportamentais) que afetam de tal forma a ponto de pensar em recuar em determinados momentos.

Lembro que certa vez, em um rompante de crise existencial eu mesma já me perguntei: será que dou conta disso? Sou mesmo capaz de atingir estes resultados? Apesar de serem pensamentos negativos, e saber que devemos focar na solução e não no problema eu simplesmente não conseguia afastá-los da minha cabeça. Todas estas ideias não só me enfraqueciam, mas também trouxeram bastante angústia e desânimo, não tinha vontade de dar continuidade aos meus projetos, achando inclusive que aquilo era demais para mim. Foi então que um dia, conversando com um grande amigo que eu não via há algum tempo, que percebi o quanto eu acreditava em mim mesma, apesar de muitas vezes não me dar conta disso. Em uma conversa rápida de um reencontro casual ele me disse: e você guerreira, continua com a mesma energia de sempre? Sempre soube que você ia longe! Aquelas palavras me encheram de esperança e fizeram a diferença para que eu pudesse compreender que era hora de retomar o mesmo espírito e pensar diferente.

E foi por isso que resolvi escrever este artigo, para falar a você, jovem administrador o que gostaria que tivessem dito a mim quando iniciei minha carreira profissional. São dicas e conselhos que espero que possam contribuir para seu desenvolvimento, mas acima de tudo para o seu fortalecimento pessoal:

1 – Comporte-se como um vencedor: Seja audacioso! Por mais ousado que possa parecer, comporte-se como um vencedor, a postura que adotamos é responsável pelo estado de espírito que influência diretamente o pensamento. Acredite que pode realizar o que deseja, sem arrogância, mas de forma sincera e verdadeira, projete o seu futuro, sem a possibilidade de sonhar, não existe chance de realização, por isso também sonhe, sonhe, sonhe…

2 – É preciso Sonhar e também realizar: O sonho para ser bom, deve trazer a motivação e a vontade de realizar. É aquilo que te move e te leva a fazer acontecer! Encontre uma forma de tornar seu sonho realidade, inicie escrevendo sobre ele. Faça um bom plano de ação, verifique as possibilidades e oportunidades viáveis, insista, mude a rota, refaça a estratégia, e não desanime, se isso acontecer, lembre-se dos motivos que o fizeram chegar até onde chegou.

3 – Seja ousado: Reforço o conselho, porque acredito que pessoas que se realizaram em suas carreiras, não conseguiram isto sendo coadjuvantes da própria história. Muitos podem dizer que construir uma carreira é difícil e que talvez possa trazer consigo o medo de fracassar. Um conselho: esquece a segunda parte! Por mais difícil que seja, quando lutamos por algo em que acreditamos os desafios tornam-se medalhas de nossa conquista.

4 – Insista e encontre novos caminhos: Existem muitas maneiras de atingir um objetivo, pense comigo: quais são os caminhos para chegar até sua casa? Na certa não existe só um. Pode ser que alguns deles levem mais tempo que o outro, mas o resultado final é o mesmo. Portanto saiba, não é porque você não conseguiu de um jeito que vai deixar tudo como está. Encontre uma forma, busque um meio, use a criatividade, mude a direção, mas não recue jamais.

5 – Acredite em você: Ninguém vai acreditar em seu potencial, se você não fizer isso primeiro, se leve a sério, mostre aos outros o profissional quem você é. Não se menospreze, nem se minimize. Defenda suas ideias, lute por seus ideais. Bata o pé se for preciso. E acima de tudo, se posicione como gostaria de ser visto. Sempre me lembro de uma frase escrita por uma professora na primeira folha do meu caderno, quando eu tinha uns 10 anos de idade e acredito que cabe muito bem aqui: “Brilhe muito hoje pequena luz, quem ama as estrelas, um dia se torna uma delas”.

6 – Não se angustie com o futuro: Tudo bem que você não tem garantias, vou lhe contar um segredo… Ninguém tem! O que hoje pode parecer certo amanhã pode não ser nada disso. Enfrente seus medos, projete seu destino, somente desta forma você poderá crescer como pessoa e como profissional. E se cair, levante e tente de novo, uma hora a vida cansa de te dar rasteiras.

7 – Esteja preparado: Estar preparado não significa que você deve estar 100% pronto, isso nunca vai acontecer! Apesar de parecer a mesma coisa, quando pensamos em posturas profissionais, há uma sutil diferença, isto acontece porque estamos sempre em desenvolvimento, sempre aprendendo algo novo. Somos seres inacabados. No meu ponto de vista, estar preparado indica que você tem disposição, foco e energia para seguir em frente e assim, buscar conhecimento, aceitar críticas e ser forte para então ir se aperfeiçoando a cada desafio, ao passo que pensar em estar pronto, implica em um perfeccionismo exagerado, o que consequentemente promove a insegurança do “ainda me falta alguma coisa”.

8 – Seja otimista: Não pense que isso é um “clichê”, nem se incomode com o que os outros vão pensar. O mundo já está cheio de pessimismo e negatividade que sinceramente, ainda não encontrei melhor forma de ver as coisas, se não com otimismo! Isto realmente muda nosso prisma diante das situações. Seja otimista, não bobo ou inocente. Seja também realista, mas acredite sempre que tudo pode ter uma solução positiva.

9 – Aprenda com seus erros: Pouco aprendemos com o sucesso. Crescemos mesmo é nas adversidades. Eis aí outro pensamento que faz os perfeccionistas virar os olhos e bufar pesadamente. Mas o fato é que isto é uma verdade, tudo bem, pode não ser uma grande maravilha errar, mas já que isto aconteceu, porque não tirar proveito também desta situação? Procure tirar boas experiências de seus erros, encontre uma forma de se superar através de falhas cometidas. Não se abata, siga em frente, mas não esqueça o que passou.

10 – Não existe idade para ser uma inspiração: independente da sua idade, busque parcerias, encontre pessoas que possam te ajudar, mas não se esqueça de também ser o apoio de alguém. Inspire outras pessoas, seja o exemplo, não se preocupe em pensar que é “muito novo para isto”, não existe uma idade certa para ser inspiração de alguém. pois assim como dizia Içami Tiba quem ensina, também aprende, acrescento dizendo que quem inspira também é inspirado.

E por fim, meu querido administrador:

Toda informação é válida. Abra sua mente, pois o que você aprende agora poderão lhe ser útil futuramente se tiver criatividade – Pense fora da caixinha e saiba que tudo depende do momento e dos resultados que se quer atingir.

Aprenda tudo o que puder e também procure dar lógica ao seu aprendizado, sem lógica o conhecimento fica solto e acaba se perdendo.

Não siga tudo o que os outros falam, analise o contexto, a situação, confie em sua intuição e também em sua razão, dependendo do momento. Quem faz as escolhas de sua vida é você. Conhecimento é importante, mas não é tudo! Cuide de sua saúde e também da aparência. Aprenda a falar em público e pense estrategicamente. Quanto ao dinheiro, lógico que isto é importante e você deve encontrar uma forma de ganhá-lo, mas não viva somente para ele.

Desejo a você muito foco e disposição, mas acima de tudo vontade de vencer! Faça sua história e não recue, eu acredito em você!

Fonte: Administradores

Oratória: saiba quais são os principais erros e como evitá-los

Oratória: saiba quais são os principais erros e como evitá-los

“O nervosismo não é um erro, é uma sensação normal. Erro é não saber lidar com ele e fazer com que esse sentimento estrague tudo o que foi planejado cuidadosamente com antecipação”, explica especialista

Saber se expressar verbalmente em público é uma característica mais do que necessária para quem deseja fazer boas apresentações de idéias, produtos, artigos e similares, pois é muito provável que em qualquer momento da sua carreira você precise se apresentar (ou apresentar algo), o que exigirá de você uma boa oratória ou o correr o risco de ter alguns prejuízos.

Michel Soares, especialista em oratória, relata que é normal sentir uma ansiedade no momento da apresentação, até mesmo entre as pessoas que já deveriam ser acostumadas, pois já falam diariamente em público, como políticos ou líderes religiosos, por exemplo.

“O nervosismo não é um erro, é uma sensação normal. Erro é não saber lidar com ele e fazer com que esse sentimento estrague tudo o que foi planejado cuidadosamente com antecipação”, explica Soares.

Com a experiência em cursos de oratória há mais de cinco anos, o especialista identificou algumas características responsáveis por aumentar a tensão na hora de falar em público – bem como atitudes que devem ser tomadas para lidar da melhor forma com isso. Confira:

“Sempre digo para as pessoas: seja natural. Muitas vezes elas decoram o discurso e fazem com que ele torne-se robótico – e desinteressante para aqueles que a escutam. Para isso, o ideal não é decorar o que vai ser falado, e sim estudar, treinar (mesmo que seja com o espelho), saber sobre o tema e sentir-se confiante sobre o que será dito”, comenta Soares.

Porém, o palestrante alerta que ser natural não significa a falta de roteiro e preparo, muito pelo contrário. “Esse é outro erro comum: falar sem roteiro ou planejamento anterior. Isso acontece bastante com pessoas que têm a confiança alta demais. Mas não importa: por melhor orador que você seja, é preciso que haja um estudo antecipado e a organização dos assuntos que serão abordados. Qualquer pessoa pode sofrer com aquele momento em que ‘dá branco’, mas quando você tem tudo planejado consigo e escrito em algum papel, as possibilidades de isso acontecer diminuem drasticamente”, ressalta.

Segundo ele, as maiores falhas são cometidas por pessoas com baixa autoestima e pouca confiança em si. Os que confiam muito em si podem até errar na falta de planejamento, mas improvisarão melhor diante de possíveis erros, justamente por ter mais confiança e se tranquilizar durante o momento difícil. Por outro lado, os que não esbanjam essa confiança sofrem mais, pois mesmo sem querer deixar transparecer o medo do fracasso, terminam por transmitir essa angústia ao público por meio de atitudes. “Falar olhando para baixo, apenas ler o que está escrito, suar frio, etc., são algumas das características notadas pelo público quando o orador não se sente confortável no palco – e isso pode fazer com que eles sintam-se desconfortáveis também”, comenta Soares.

É claro que com um bom treinamento e capacitação adequada todas as pessoas podem ter uma boa oratória. Para isso é indicado um bom acompanhamento profissional, para só assim saber enfrentar de maneira correta o medo responsável pelo travamento de muitos em momentos onde precisam de desenvoltura e jogo de cintura. “É para isso que profissionais como eu estão no mercado. Para fazer com que todos sejam capazes de apresentar uma boa idéia aos seus chefes e não percam uma vaga de emprego para uma pessoa menos qualificada, mas com uma melhor oratória – e acredite, isso acontece muito”, conclui Soares.

 

Fonte: Administradores

 

5 coisas que pessoas de sucesso nunca fazem

5 coisas que pessoas de sucesso nunca fazem

E por que você também não deve fazê-las

 

“Uma das qualidades mais importantes é a capacidade de dominar as emoções e permanecer calmo sob pressão”

Muitos podem ser os fatores que determinam o sucesso de alguém. Pesquisadores não cansam de produzir estudos visando determinar os diferenciais dos bem sucedidos, e a cada dia apontam esta ou aquela característica como a mais marcante nessas pessoas. Uma das qualidades mais importantes, e que tem sido cada vez mais valorizada, é a capacidade de dominar as emoções e permanecer calmo sob pressão, segundo Travis Bradberry, co-autor do livro “Inteligência Emocional 2.0”.

Na empresa TalentSmart, da qual Bradberry é presidente, foram testadas mais de um milhão de pessoas, e os resultados mostraram que a grande maioria dos profissionais e executivos de alta perfomance eram pessoas com níveis altos de inteligência emocional. O site Business Insider elencou alguns dos comportamentos característicos de quem tem demonstra grande inteligência emocional, na visão de Travis Bradberry. Aqui estão cinco deles:

1. Não viver no passado

Pessoas inteligentes emocionalmente sabem que o sucesso tem a ver com crescer diante dos desafios e isso não pode ser feito remoendo o passado. Bradberry diz que qualquer coisa que vale a pena alcançar vai exigir que você se arrisque, e não é possível fazer isso sem superar erros do passado. Fracassos anteriores não podem diminuir a crença na sua capacidade de seguir em frente.

2. Não guardar ressentimentos

Bradberry afirma que o estado emocional de alguém pode ser determinado de acordo com o foco da atenção dessa pessoa. O foco dos inteligentes emocionalmente não será nos problemas enfrentados ou em sentimentos negativos, mas em como melhorar a si próprios. Esse tipo de atitude produz sentimentos e emoções positivas, e gera melhora no desempenho profisisonal. Bradberry diz ainda que o fato de não reviver brigas e guardar ressentimentos evita o contato o estresse que o corpo humano sente ao lidar com conflitos, por isso os inteligentes emocionalmente evitam esse tipo de comportamento.

3. Não priorizar a perfeição

Pessoas de sucesso sabem que a perfeição não existe, por isso não a colocam como alvo. “Seres humanos, pela nossa própria natureza, são falíveis”, diz Bradberry. Se a perfeição é o objetivo de alguém, essa pessoa sempre estará em contato com um certo senso de fracasso, já que é impossível ser perfeito. Esse comportamento impede a percepção das conquistas alcançadas ou até mesmo sua desvalorização.

4. Não conviver com negatividade

Pessoas que reclamam o tempo todo ou sempre fazem comentários negativos são tóxicas. Elas esperam pena e empatia, ao invés de investirem seu tempo e energia em soluções para os problemas. O conselho de Bradberry não é deixar de ouvir ou de dar atenção a alguém que precise. É apenas tentar evitar ou se distanciar de energias negativas constantes.

5. Não dizer sim o tempo todo

Pesquisas mostram que quanto maior a dificuldade de alguém para dizer “não”, maior a probabilidade de essa pessoa sentir estresse, fadiga e depressão, segundo Bradberry. Ele afirma que dizer “não” é um grande desafio para a maioria das pessoas. Mas os inteligentes emocionalmente não enrolam na hora de fazer isso.

De acordo com Bradberry, os bem sucedidos geralmente são diretos, e evitam frases evasivas, deixando claro se realmente não puderem responder positivamente ao pedido. Dizer não a alguém, evitando um compromisso a mais, é uma forma de honrar os compromissos que você já tem, o que aumenta as chances de alcançar sucesso no desenvolvimento deles.

 

Fonte: Administradores

Como você está usando a sua inteligência?

Como você está usando a sua inteligência?

“Cuidado para não chamar de inteligentes apenas aqueles que pensam como você” Ugo Ojetti

 

Definir inteligência é um problema devido aos diferentes paradigmas conceituais, posturas político-ideológicas e fatores educacionais envolvidos. Existem dezenas de armadilhas que podem nos levar a descriminações raciais infundadas, já demonstradas historicamente por diversos acontecimentos como o racismo, o segregacionismo nazi-fascista, a supremacia ariana dentre outros.

Os problemas surgem quando se admite que os homens possuem diferentes níveis de inteligência sem se levar em conta o histórico das oportunidades. Isso favorece descuidos como o de concluir que tais diferenças são imutáveis, e, pior, deixa o caminho livre para a discriminação tornando assim natural uma distribuição desigual de direitos apenas em função destes desníveis.

É impossível definir percentualmente qual o grau de influencia dos fatores genéticos e culturais no desenvolvimento da inteligência, ou seja, inteligência é definida por uma parte genética e outra cultural ou meio ambiente. Alem disso é difícil de acreditar que algum dia seja possível mesurar tais proporções.

Sem dúvida que ambos os fatores são importantes, mas com certeza os fatores culturais e ambientais (nutrição, afeto, estímulos) são muito mais importantes, até mesmo decisivos do que os genéticos.

Podemos afirmar isso, pois mesmo os indivíduos acometidos por alguma deficiência de origem comprovadamente genética e que apresentem um comprometimento mental, demonstram diversos níveis de inteligência. Por exemplo, cientificamente já foi provado que não existem graus de Síndrome de Down e que as diferenças de desenvolvimento decorrem apenas das características individuais, isto é, educação, meio ambiente, estímulos, carinho etc, todos os fatores exógenos. Mesmos portadores do cromossomo extra no par 21, os indivíduos com síndrome de down possuem desenvolvimentos intelectuais e motores diferentes.

Com isso demonstramos que o fator cultural é determinante, alem disso é único que realmente temos influencia, já que não podemos fazer nada quanto ao fator genético.

No século passado foram realizados alguns experimentos onde foram realizadas inseminações artificiais em mulheres com o Q.I. (quociente intelectual) acima de 140, com o sêmen de homens igualmente superiores, alguns Prêmios Nobel e outros “gênios” foram doadores, com o objetivo de favorecer o nascimento de crianças igualmente inteligentes. Mas os experimentos foram abandonados devido ás questões éticas aliadas ao péssimo resultado obtido, onde os filhos destes “superpais” nasciam e se desenvolviam normais (Q.I. 100) e alguns até com o Q.I. abaixo da media.

Por outro lado pessoas superdotadas também necessitam de uma ambiente cultural e psicológico especifico para se desenvolverem, caso este não seja devidamente fornecido a probabilidade de desajustes sociais e pessoais são muito grandes.

Com isso provamos a superior importância do fator cultural no âmbito do desenvolvimento da inteligência.

Um dos fatores exógenos essenciais para o desenvolvimento da inteligência é o conhecimento. De nada adianta você possuir uma Ferrari na garagem se você não possuir o combustível correto para abastecê-la. O conhecimento é o combustível da inteligência

Como já constatou Elaine Rich coautora do livro “Inteligência artificial” “Um dos poucos resultados concretos obtidos nos primeiros vinte anos da pesquisa de inteligência artificial, é o fato de que a inteligência requer conhecimento”.

E apesar de existirem centenas de teorias e formas sobre como obter conhecimento, a mais simples, eficaz e democrática é através da leitura. Leia que você adquire conhecimento. Simples. Não gosta de ler? Então aprenda a conviver com as suas limitações. E quando por acaso lhe chamarem de ignorante, não interprete isso como uma ofensa, mas como um diagnostico. Já que você de livre e espontânea vontade decidiu abrir mão de desenvolver a sua inteligência.

Você pode até aceitar e conviver com a sua decisão, mas isto não significa que as outras pessoas devam fazê-lo.

Existe um mito, por exemplo, que diz que as pessoas só usam dez por cento de seus cérebros, ele é chamado de “mito dos dez por cento” e aparece o tempo todo, na mídia, nos livros, nas conversas. Claro que é uma grande bobagem, uma falácia, mas que muitas pessoas ainda acreditam por puro comodismo em se comprometer no desenvolvimento da sua própria inteligência, então passam a acreditar que com um passe de mágica um dia ele poderá utilizar mais do que os 10 % do seu cérebro e com isso irá ficar mais inteligente ou irá adquirir poderes paranormais.

Mas técnicas de pesquisas de imagens do cérebro como TEP (Tomografia de Emissão de Pósitrons) e RMF (Ressonância Magnética Funcional) mostram claramente que a grande maioria do cérebro não fica em repouso. Pelo contrário, apesar de algumas funções menores usarem apenas uma pequena parte do cérebro de cada vez, qualquer atividade ou padrão de pensamento com um mínimo de complexidade (como conversar ou ler um simples texto de jornal) utilizam muitas partes do cérebro ao mesmo tempo. Do mesmo modo que as pessoas não usam todos os músculos ao mesmo tempo, elas também não usam todo o cérebro ao mesmo tempo. Para atividades isoladas, como comer, assistir TV, ou fazer amor, se usa apenas algumas partes do cérebro.

Pode-se observar isso com pessoas sofreram algum tipo de traumatismo craniano que tenha afetado o cérebro as deixando com sequelas. Alguém já ouviu um médico dizer: “Foi muita sorte, pois esta lesão atingiu apenas àquela parte do cérebro que ninguém usa”.

Na verdade esse mito se tornou uma crença que, apesar de não ter nenhuma evidência que a suporte, é tida como verdadeira porque sua constante repetição muda à maneira como vemos o mundo e a vida.

Mas as pessoas que acreditam em tal crença devem fazer parte do mesmo grupo acima que se recusa a ler e assim adquirir conhecimento, mas por outro lado acreditam em tudo que a televisão apresenta. As mesmas pessoas que tem dificuldade de desenvolver o seu próprio pensamento lógico e por isso se apropriam de opiniões alheias muitas vezes sem comprovação. São verdadeiros “papagaios de pirata” repetem o conhecimento de outrem sem saber aprofunda-lo ou questiona-lo. Um prato cheio para os gurus de plantão.

Aprender a pensar é um dos grandes diferenciais e desafios deste milênio, e isso somente será possível se desenvolvermos adequadamente a inteligência.

Quanto mais o mundo se diversifica, mais as relações sociais se tornam complexas e mais as pessoas têm dificuldade de sistematizar ideias, organizar conhecimentos e formular um pensamento claro.

O mundo atual, no entanto precisa muito de pessoas que formulem o seu pensamento a partir da realidade, no contato permanente com a humanidade real do dia a dia. Somos bombardeados por uma cultura de massa especializada em banalizar informações e, diluir o conteúdo das questões a tal ponto que não seja mais necessário pensar.

Como dizia Confúcio a milhares de anos atrás “Aprender sem pensar é tempo perdido”.

Esse pensamento sendo entregue totalmente digerido impede o desenvolvimento da inteligência. O cérebro necessita de enigmas para se exercitar e desenvolver.

Assim nasceu a neuróbica, modalidade criada e desenvolvida por Lawrence C. Katz, professor de neurobiologia do Centro Médico da Universidade de Duke e pesquisador do Instituto Médico Howard Hughes, nos Estados Unidos, se baseia num estudo de informações sobre a organização do cérebro humano e como determinadas atividades produzem nutrientes naturais do cérebro. Com este tipo de exercício, o cérebro se torna mais rápido e flexível, permitindo a realização de qualquer tarefa mental, mesmo que esta pareça um desafio. Enfim a neuróbica propõe exercícios para desenvolver o cérebro.

Só poderemos usar a inteligência com cem por cento da sua força onde houver cem por cento de interesse em desenvolvê-la.

Partindo da premissa da inteligência coletiva desenvolvida o filosofo francês por Pierre Lévy afirma que “o saber não é nada além do que as pessoas sabem”, mas saber disso não é suficiente, é preciso compreender que “ninguém sabe tudo”, mas ao mesmo tempo, “todos sabem alguma coisa”, e que o conhecimento completo não se encontra fechado na cabeça de ninguém, mas, “todo o saber está na humanidade”, a qual, é a gigantesca coletividade.

Somente através da leitura dos mais diversos autores e assuntos nos permite explorar o que Lévy chamou de “…o saber da humanidade…” para que assim possamos desenvolver adequadamente a inteligência.

“Numa época em que as pessoas se preocupam cada vez mais em evitar o desperdício econômico ou ecológico, parece que se dissipa alegremente o recurso mais precioso, a inteligência, recusando-se a levá-la em conta, devolvê-la e empregá-la” diz Lévy.

Sob essa concepção Lévy alerta ao que se percebe hoje, é que desde o boletim escolar com suas estruturas de avaliações aos métodos de reconhecimentos qualitativos das empresas, e em tudo o que se diz ser método de avaliação ou reconhecimento das qualidades e inteligências humanas, o que verdadeiramente existe é uma “organização da ignorância sobre a inteligência das pessoas”.

Entramos em uma era onde a tendência é, desenvolva a sua inteligência ou saia do caminho.

Suce$$o

 

Fonte: Administradores

As empresas precisam de consultores que têm algo novo a dizer

As empresas precisam de consultores que têm algo novo a dizer

O apoio de profissionais qualificados e com ideias inovadoras tem sido bastante procurado por pequenas, médias e grandes empresas

 

Hoje, as empresas têm em seus quadros funcionários capacitados, muitos deles com cursos de pós-graduação. Um consultor deve, portanto, ter à sua disposição mais ferramentas do que a empresa já dispõe. Ter experiência é fundamental, mas somente isto não basta. O consultor deve estar atualizado com novos modelos de análise, de processos e de tomada de decisão. Deve ter a visão voltada para o futuro, para as mudanças que poderão vir.

O processo de gestão de uma empresa torna-se a cada dia mais dinâmico, paradigmas são constantemente quebrados e pode-se dizer, de uma maneira bem objetiva, que decisões acertadas ontem poderão não mais surtir os mesmos efeitos hoje. Tanto a tecnologia quanto os processos estão em fase constante de melhorias.

Para tanto, é importante que o consultor acompanhe a evolução das novidades no campo de gestão de negócios, tendo acesso a artigos acadêmicos, a livros de gestão e de administração de negócios, a palestras de especialistas, a congressos, a debates, enfim, a qualquer demonstração de transferência de conhecimento e de atualização de conceitos.

Para quem queira se atualizar ou iniciar neste trabalho, O CEGENTE – Educação Corporativa oferece o curso Formação de Consultores onde se discutem o comportamento atual do consultor, a busca das empresas por processos inovadores, os novos desafios empresariais e novos modelos de gestão e de tomada de decisão. Acesse www.cursoformacaodeconsultores.com.br e participe também deste processo.

 

Fonte: Administradores

17 truques para fazer buscas mais eficientes no Google

17 truques para fazer buscas mais eficientes no Google

Apesar de ser um buscador incrível o Google não é vidente. Aprenda aqui a melhorar suas buscas e conseguir resultados melhores

Grande parte do Brasil e do mundo utiliza o Google diariamente como a principal ferramenta de buscas na internet. Ninguém sabe dizer quando esse império online se consolidou, mas a verdade é que hoje ele é super eficiente e dificilmente perde em algum aspecto para outros sites que exercem funções semelhantes.

Aliás, a facilidade na hora de fazer pesquisas pelo famoso buscador é um dos fatores que mais encantam seus usuários. Até porque não dá para pensar em nada no mundo que não esteja ao alcance dos arquivos e das buscas do Google, não é mesmo?

Apesar disso, a página está longe de ser vidente e, para conseguir resultados melhores, é preciso também fazer pesquisas mais específicas, a fim de potencializar o trabalho do site. É para te ajudar nesse quesito que o Fatos Desconhecidos preparou a lista abaixo com alguns truques super úteis, que pouca gente conhece, mas que são excelentes na hora de usar o buscador.

Acompanhe a listagem e aprenda a usar o Google com mais eficiência:

1. Para excluir um elemento de sua busca, digite o sinal de “menos” (-) antes da palavra que queira excluir. Veja:

 

2. Para pesquisar palavras isoladas dentro de um site, escreva na barra de pesquisa “site:”, seguido do endereço da página e da palavra procurada;

 

3. O Google pode ser sua calculadora. Para isso, insira a equação desejada na barra de pesquisa;

4. Se quiser pesquisar por palavras em títulos de publicações, escreva “intitle:” antes dos termos que você precisa;

5. Para pesquisar somente GIFs, na busca por imagens clique em “mais ferramentas” e altere o formato do arquivo para “animação”;

6. Já se estiver procurando por um site que tenha mencionado outro site, escreva “link:” antes do endereço que vai ser buscado. Veja:

7. Ao pesquisar por uma data comemorativa, o Google mostrará em que dia ela será comemorada:

8. Você também pode usar o Google para converter moedas e unidades de medida;

9. Para o nome de uma música ou partes da letra que você não saiba, digite um trecho da letra colocando um asterisco nas palavras que você esqueceu, seguido pelo nome do cantor e o Google fará a busca. Essa pesquisa vale também para encontrar citações famosas ou trechos de livros;

10. Se for procurar por palavras específicas em arquivos PowerPoint (ppt) Word (doc) e PDF, digite a palavra que será buscada, seguido de “filetype:” e o tipo do arquivo;

11. Se a busca for por frases ou expressões específicas, escreva a passagem que será pesquisada entre aspas;

12. Busque por assuntos com intervalo de tempo colocando “..” entre um ano e outro;

13. Para pesquisar definição de palavras, escreva “o que é” ou “definição:” antes do termo a ser buscado.

14. Se estiver buscando por músicas de um artista ou banda, faça a pesquisa de forma simples. Isso vale também para escritores, diretores e artistas de cinema;

15. Para saber sobre um determinado voo, insera o número referente a ele e o nome da empresa responsável

16. Com o Google dá para saber que horas o sol vai nascer e se pôr em determinada cidade

17. Se você clicar em “estou com sorte” sem escrever nada na barra de pesquisas, você vai ver todos os doodles do Google!

 

Fonte: Fatos Desconhecidos

 

 

 

Watch Dragon ball super